Remédios para hipertensão podem combater câncer de mama

Mulheres que tomam remédio para controlar pressão alta seriam beneficiadas quando o assunto é câncer de mama. De acordo com dois estudos envolvendo dados de pacientes americanas e irlandesas, pessoas no perfil podem sobreviver por mais tempo sem ver o retorno da doença e apresentar menos probabilidade de morrer por conta dela ou de desenvolver um tipo agressivo.

Os medicamentos beta-bloqueadores, usados para combater a pressão alta, reduzem o efeito dos hormônios do estresse. Os pesquisadores começaram a se interessar por eles depois que estudos em animais mostraram que respostas ao estresse estão ligadas ao crescimento de tumores.

A médica Amal Melhem-Bertrandt e seus colegas examinaram registros de 1400 mulheres com câncer de mama que passaram por quimioterapia e cirurgia no MD Anderson Cancer Center, nos Estados Unidos. Cerca de 7% delas lançavam mão de beta-bloqueadores. Depois de três anos do tratamento, 87% das medicadas contra pressão alta estavam vivas e livres do câncer, em comparação com 77% das que não precisavam das drogas.

O levantamento do Centro de Trinity, em Dublin, Irlanda, constatou que as pacientes que tomavam um tipo específico de beta-bloqueador, o propranolol, tiveram menos chance de serem diagnosticadas com câncer de mama avançado. Além disso, após cinco anos, apenas 9% delas tinham morrido da patologia, contra 27% das do grupo sem o remédio. Essas diferenças não foram detectadas em quem apostava em outros beta-bloqueadores, como o atenolol.

Amal disse ao jornal Daily Mail que mais estudos são necessários para esclarecer o assunto. E desaconselha que invistam em beta-bloqueadores como uma medida preventiva contra o câncer de mama, já que trazem efeitos colaterais, como ritmo cardíaco mais lento.

Fonte: Site Terra